A alma é imortal?
...E não temais os que
matam o corpo, e não
podem matar a alma;
temei antes
Aquele que pode
fazer perecer no inferno
tanto a alma 
como o corpo.
(Jesus Cristo)
S.Mateus 10:28
Escrituras Sagradas
Novo Testamento
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 
  Desde os primórdios do tempo, até os dias atuais, com todo avanço tecnológico obtido pelo ser humano, o mistério que   mais intriga o homem é saber de onde veio e também - e principalmente, para onde vai...
  Todos, de uma forma ou outra, acreditam num paraíso celestial, que para os índios norte-americanos seria um local de verdejantes planícies, com caça abundante. Para  os Vikings,  todo aquele que morresse empunhando sua espada mereceria um lugar ao lado de Odin, com muita festa e bebedeiras. Para os budistas, é o Nirvana,  para os espíritas já não há a preocupação com o paraíso, mas sim com a reencarnação, que seria uma oportunidade da alma voltar ao estágio humano e procurar sua progressão. A Igreja Católica, por muitos anos, manteve nos fiéis a crença no purgatório, antes da alma ir ao paraíso ou ao inferno. Mas, dentro do Cristianismo, de uma maneira geral, o corpo irá repousar de sua labuta na Terra e o espírito voltará a Deus, que o criou, até que aconteça o Juízo Final, quando então as almas irão receber seu prêmio ou castigo, dependendo da maneira como se comportaram dentro de sua ‘casca humana”  no plano terreno.
 Nesta matéria enfocando direta ou indiretamente a morte, que é essa passagem de um plano físico para outro etéreo, coberta de insondáveis mistérios, que tanto fascinam, quanto assustam os viventes,  não é nosso desejo causar nenhum tipo de constrangimento, mas sim, levar a uma reflexão sobre a vida e a morte, pois elas se laçam e se entrelaçam e são a confirmação da efemeridade de uma e da existência de outra. Além delas, como disse o Eclesiastes, tudo é vaidade...

A cultura dos povos

  Os índios da América do Norte nutrem o maior respeito pelos seus cemitérios, sendo que quando eles ainda dominavam as planícies americanas, antes da invasão do homem branco, a não reverência ao cemitério poderia acarretar a sentença de morte a qualquer um.
   A religião Budista e outras seitas, como a Seicho-No-Iê, reverenciam seus mortos, num extremado respeito aos antepassados. Na América Latina, talvez por influência do catolicismo, é comum ver pessoas fazendo o ‘sinal da cruz’ dentro ou ante a porta de um cemitério.
   De uma ou outra forma, um cemitério é visto na maioria das vezes com temor e respeito. Alguns ainda nutrem um infantil medo dos mortos. Em praticamente todos os lugares do mundo um cemitério é tido como campo santo ou campos elísios. Em Campinas, grande metrópole do interior de São Paulo, um bairro imenso nasceu ao redor de um cemitério. E o bairro acabou ficando com o nome de Campos Elísios.
  Porém, desde a época dos faraós, sepultados em sarcófagos dentro de imensas pirâmides, passando pela Idade Média, quando os mortos eram sepultados em criptas ou cavernas, até chegarmos aos dias de hoje, o que podemos ver é que até a morte acaba gerando a vida, através da sobrevivência daqueles que labutam nesse mister, desde os antigos embalsamadores até fabricantes de caixões, donos de marmorarias e funerárias, empresas de cremação, carpinteiros, pedreiros e muitos outros, como os artistas que fizeram os túmulos mais bonitos de antigos cemitérios, num incrível paradoxo da vida e da morte.

A morte na cultura

    No cemitério de Piracicaba,SP, por ter sepultos ali pessoas famosas, a Secretaria da Cultura acabou transformando o local em ponto de exposição de artistas e atração turística. No cemitério de Barra Bonita, apesar de ali estar sepultado o grande astro da música sertaneja, Belmonte, da dupla Belmonte e Amaraí, morto em 1972, o local não foi aproveitado turisticamente, mas mesmo assim, muitas mulheres sobrevivem da lavagem de túmulos. 
    E o assunto é muito vasto, e já que retrata a efemeridade da vida e o mistério da morte, não chega a ser mórbido, pois sempre causará temor, espanto e respeito e também incertezas e esperanças, levando a pessoa à reflexão. Não foi por nada que o sábio rei Salomão disse que era melhor se ir a um velório do que a uma festa, pois justamente no primeiro lugar é que a pessoa irá refletir, ponderar e crescer espiritualmente. 
   E, além de vasto, e pelas razões acima citadas, o assunto também já despertou o interesse de grandes mortais, como William Shakespeare, que em seu Hammlet, dedica várias páginas ao encontro do rei e dos coveiros em pleno cemitério, onde em diálogos impressionantes, eles conversam justamente sobre essa insondável paridade entre a vida e a morte.

O Espiritismo

  Uma das várias formas religiosas que existem – e que causa mais controvérsias, é o espiritismo. Em 1994, a Rede Globo do Brasil lançou a novela A Viagem, da autora Ivani Ribeiro, que justamente usa o espiritismo como tema central. Embora sabendo que “existem mais mistérios entre o Céu e a Terra do que possa imaginar nossa vã filosofia”, como disse Shakespeare, nossa reportagem foi conferir o que é o espiritismo e o que a igreja Católica, uma das mais ferrenhas inimigas do mesmo, tinha a dizer.
  O cidadão brasileiro, que abriga em suas crenças várias tendências religiosas e ou esotéricas, do catolicismo romano ao candomblé e ao protestantismo, até as religiões orientais, é um crédulo por natureza. A FEB – Federação Espírita do Brasil, estima que cerca de uns 40 milhões de brasileiros acreditam em reencarnação, ou seja, que o espírito deixa o corpo e volta em outro corpo. Se foi uma pessoa boa, volta num corpo melhor; se ruim, pode até voltar em um corpo deformado ou de um mendigo, por exemplo. A isso eles chamam de progressão espiritual, pois a cada reencarnação o reencarnado vai tendo chances de se tornar melhor e assim, em espírito, ir atingindo estágios superiores...
  No total de espíritas citado pela FEB, um terço dele é formado de espíritas praticantes, seguidores fiéis dos ensinos de Allan Kardec. Nisso também o brasileiro é campeão. No Brasil é onde as teorias kardecistas têm maior número de seguidores.
  Allan Kardec, que se chamava Hippolyte Leon Denizard Rivail, nasceu em Lyon, França, em 1804. Ele foi discípulo de Pestalozzi e escreveu, além da “bíblia de Kardec”, 5 livros sobre reencarnação de espíritos e também muitos outros escritos e revistas. No Brasil, o mineiro Francisco Cândido Xavier, o Chico Xavier, já falecido, foi um dos pináculos do espiritismo, tendo escrito mais de 80 livros psicografados, ou seja, com a ajuda de “espíritos superiores”. Seu livro Nosso Lar, de 1944, primeiro de uma série psicografada pelo espírito do médico André Luiz, vendeu até a década de 90, mais de 880 mil exemplares.
  Uberaba, MG, mais conhecida como “terra de Chico Xavier”, abriga quase 100 centros espíritas e é alcunhada de Capital Brasileira do Espiritismo. Após ela, vem a Bahia, conhecida como “terra de todos os santos”, que também teve um ilustre divulgador de Kardec: Divaldo Pereira Franco, que contava 67 anos na época do lançamento da novela da Globo. Divaldo, que é de Feira de Santana, BA, já tinha mais de 100 livros publicados sobre o tema, grande parte também psicografados. Divaldo foi o maior divulgador brasileiro da teoria kardecista, tendo feito palestras em cerca de 50 países e por mais de 600 cidades em todo mundo.
  Em Barra Bonita, cidade onde moro, existem 3 centros espíritas. A reportagem consultou o líder católico da cidade, padre Celso Maximino José, que explicou que...”A idéia da reencarnação é antiga. Corresponde a uma concepção arcaica do Universo: depois de morrer, a pessoa não tinha para onde ir, então voltava à Terra e se reencarnava. Com o tempo, a idéia de reencarnação adquiriu novos sentidos, como cumprimento do destino, purificação, etc. A idéia da ressurreição também não é nova, mas em Jesus Cristo ela manifesta o projeto de Deus em relação à Humanidade, ou seja, o justo permanece para sempre. Os justos viverão, nos diz as Escrituras Sagradas, mas não por força própria, se reencarnando, se autopurificando, mas por que Deus os fará viver. Tanto a reencarnação como a ressurreição têm em comum dois pontos: ambas supõem a fé, pois não existem provas científicas de que alguém reencarnou ou ressuscitou; e ambas acreditam na indestrutibilidade da vida e, portanto, na continuidade infinita...Mas eu não posso aceitar um outro ensinamento por que é mais conveniente ou simpático. O conteúdo da minha fé é fundamental, pois ela norteia minha vida. Então basta perguntar: o que Jesus ensinou? Os Evangelhos falam-me de ressurreição e não de reencarnação. Daí eu prefiro a certeza da Palavra de Jesus!”
  A reportagem ouviu quatro jovens também, cada qual com sua própria visão do tema...
Para Vanda Lucia Lanzoni, não existe reencarnação. Ela acredita em Deus e até em espíritos, mas não em espiritismo. “A gente está aqui, cumpre um destino, mas a nossa alma ou espírito, após a morte, não volta em outro corpo...Acredito que depois de morto, a gente continua vivendo neste espaço mesmo...Céu, inferno, essas histórias que as religiões ensinam, eu não acredito também.”
  José Remildo da Silva é taxativo: “Morreu, acabou, não volta mais...Não entramos em outro corpo...Morreu, fica por lá (?)”...
  Marcos Aurélio Paschoal disse que acredita em reencarnação, mas que tinha algumas dúvidas: “Tenho procurado mais informações, evidências que possam me proporcionar maior fé na reencarnação...”
 Luciana Palmezan , convicta espírita, disse que “temos que cumprir uma missão aqui. Se não for bem feita, a gente tem que voltar para terminá-la...A reencarnação é um processo evolutivo do espírito.”

E quem está com a razão?

 O Brasil é a “terra multinacional”, tanto a nível de população, pois aqui, desde seu descobrimento, feito pelo português Pedro Alvares Cabral e que trouxe em suas esquadras pessoas de várias nacionalidades e que por aqui ficaram, como também no contexto religioso, pois herdamos as crendices indígenas, primeiros habitantes do Brasil, as crendices trazidas pelo catolicismo do século XV e as crendices dos escravos africanos. Além disso, foram se incorporando as crendices budistas, trazidas pelos imigrantes japoneses e as angro-saxônicas, trazidas pela Reforma de Lutero e Calvino. Não bastasse tudo isso, foram se somando os ensinos kardecistas, da Seicho-No-Iê e ainda práticas esotéricas.
 Em face disso, pode-se, numa mesma cidade brasileira, por menor que seja, ter-se um templo católico, outro protestante, que se subdividiu em várias seitas chamadas evangélicas, terreiros de candomblé, centros espíritas e outros.
  O povo brasileiro, por esta miscigenação religiosa, acaba aceitando tudo. Por exemplo, um brasileiro “crente”, como se costuma dizer, normalmente aceita os ensinamentos da sua denominação religiosa, mas tem dúvidas sobre o purgatório, pregado pela igreja Católica e fica com o pé atrás quando o assunto é macumba. Mas também ele acredita em espíritos mas não em espiritismo e  não acredita em Saci Pererê, mas jamais irá passar uma noite num cemitério ou numa mata, pois, segundo um ditado popular por aqui, seguro morreu de velho!
  Mas, o que fica de tudo isso, é a certeza de que ninguém tem muita certeza de para onde vai a alma após a “viagem”. Todos botam certa fé em suas crendices, mas na hora do “é agora” mesmo, ou seja, no momento de uma doença grave, de um perigo repentino ou mesmo na hora da morte, todo ser humano, brasileiro ou não, vai gritar por Deus! E aqui está a maravilha e o grande mistério. Mistério insondável até mesmo para o mais ferrenho cristão. Certamente, somente os santos apóstolos de Jesus Cristo tinham a verdadeira certeza. De nossa parte, apenas a meia certeza de quem está com a razão: vamos para o Céu? Existe inferno ou não? A alma pode reencarnar? Haverá ressurreição dos mortos ou morreu, morreu e ponto final?!

Mas o que é Verdade?

  Esta foi a pergunta que fizeram a Jesus, pouco antes de sua crucificação. Ele não respondeu, pois em seus 3 anos de  ministério na Terra, já havia dito que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. Então, concluindo a matéria, uma religião prega isso; a outra prega aquilo; e, por isso as pessoas ficam ainda mais perdidas. 
 Umas dizem que existe a reencarnação. A Bíblia Sagrada, apesar de não citar tal palavra, deixa uma interpretação para tal, quando Jesus deu a entender que João Batista era o profeta Elias. Mas não seria uma reencarnação literal, pois no livro da Bíblia chamado Juízes, narra que Elias foi levado (vivo) para o Céu num carro de fogo. Então, se Elias não morreu, também não reencarnaria, ficando as palavras de Jesus no âmbito dos mistérios de Deus. Mas, como tudo só acontece com a permisssão de Deus e como para Deus nada é impossível, Ele, se quisesse, poderia dar o espirito de Elias a João Batista. E quem O impediria?
  Deus é Amor, dizem todas as religiões. E é verdade. Mas esquecem de citar que o Senhor está esperando o cálice da Sua ira e do Cordeiro encher, para o derramar sobre todo habitante da Terra. Este será o Dia do Juízo, como está em Apocalípse. E lá diz que o Senhor fará com que o mar e a terra devolvam seus mortos, para o Dia do Julgamento, quando toda alma prestará contas de suas ações, sejam boas ou más, perante o Altíssimo e o Cordeiro.
  E, finalmente, não citando aqui as heresias que religiões têm cometido ultimamente, para as duas correntes, a dos que acreditam que morreu, acabou, sem jamais voltar da sepultura, e a dos que acreditam que morreu acabou, tanto para o corpo quanto para a alma, que deixam de existir até que Deus faça a vida voltar aos corpos e todos vão viver numa terra paradisíaca, vamos ver o que o apóstolo Pedro fala no livro da Bíblia chamado Pedro I, capítulo 3, versículo 18..."Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o Justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito;  no qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão;  os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava, nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca"... Então, segundo as Escrituras, existe sim, o mundo dos mortos! E, em Apocalípse capítulo 13,  versículo 9 a 12..."Seguiu-os ainda um terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na fronte, ou na mão,  também o tal beberá do vinho da ira de Deus, que se acha preparado sem mistura, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.  A fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, nem aquele que recebe o sinal do seu nome.  Aqui está a perseverança dos santos, daqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus".
 E aqui as Sagradas Escrituras garantem que haverá um Julgamento e que os que creram em Jesus e procuraram obedecer a Deus, vão para a vida eterna, e os que agiram de modo contrário, somente fazendo o mal, vão para o lago de fogo e enxofre, onde já estarão Satanás e seus anjos maus, a besta e o falso profeta...
  Concluindo, segundo a Bíblia Sagrada, já que não existe outro livro que dê tal informação, existe o mundo dos mortos, onde as almas aguardam o Juízo Final. Mas aqueles que serviram a Deus, vão aguardar o Julgamento atrás de Seu Trono, pois, segundo um rabino brasileiro, ele não se sentiria bem se sua alma tivesse que ficar no mesmo lugar onde está a de Hitler...Faz todo sentido! E ainda, todos os mortos serão ressuscitados e passarão pelo Grande Julgamento, indo os retos para a vida eterna e os ímpios para o castigo eterno. Assim diz as Escrituras Sagradas. E se você não acredita nisso, pode dizer também que não acredita em Deus e nem em Jesus. Faz sentido? Nós pesquisamos e encontramos estas respostas. Você poderá ficar com uma delas ou ainda procurar a sua. Mas, como disse o pe. Celso Maximino, não existem provas científicas. É tudo uma questão de fé...


 
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
E disse Jesus: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. E ninguém vem ao Pai senão por  Mim”. - São João 14:6
E disse também Jesus: “Na casa do Meu Pai há muitas moradas. Se não fôra assim, Eu vô-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar, pois onde Eu estiver, vocês estarão Comigo”. - São João 14:1
“...Para que todo aquele que creia em Jesus não pereça, mas tenha a vida eterna” - São João 3:16
...Deus não é Deus de mortos, e sim de vivos, por isso se diz Deus de Abrão, Isaque e Jacó” - São Marcos 12:27
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Fontes: Bíblia Sagrada - Jornal da Barra - Pe. Celso Maximino José - Helio Mesquita
(presidente do Centro Espírita de Amparo à Criança e ao Idoso - Barra Bonita) 
Enciclopédia Abril - O que a Bíblia ensina? (Torre de Vigia)


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

GRANDES MATÉRIAS
MUNDO SERTANEJO
NOSSOS HERÓIS
REVOLUCIONÁRIOS
ESPECIAIS
HOME PAGE
 
 
 
 
 

 

Sergio Ferraz - Todos os direitos reservados